Dicionário de Termos na Umbanda

Um pequeno dicionário, com termos em Yorubá, utilizados no dia-a-dia das religiões de matriz africana, acrescentado de alguns em nossa língua, além de alguns “dialetos regionais”.

Acrescente os que conhece e não viu aqui, enviando-os para o nosso e-Mail, através do “Fale Conosco”.


EBÓ

Termo que designa, genericamente, oferendas e sacrifícios, Usa-se também trabalho, despacho e, as vezes, feitiço.

EBÔMIN

Pessoa veterana no culto; título adquirido após a obrigação de sete anos. Opõe-se a iaô, sendo equivalente a vodunci.

ÈÈWÒ
EFUN

Nome dado a argila branca com que são pintados os neófitos. Essa pintura corresponde ao que se chama de "mão-de-efun" (vd. 18-Efun). Como sinônimo de efun ocorre, também, afin.

EGÚN

Nome genérico dos espíritos dos mortos.

EGÚNGÚN

Espíritos dos ancestrais, cultuados especialmente em terreiros situados na Ilha de Itaparica, na Bahia.

ELÉEBO

Aquele em nome do qual se faz o sacrifício ou oferenda.

ENI

Nome dado a esteira de palha utilizada pelos neófitos, sobretudo durante o período de reclusão. É empregada como "mesa", "cama" e "tapete" em distintos ritos. No candomblé é usual a expressão "irmãos-de-esteira" para designar o conjunto de neófitos reclusos ao mesmo tempo, e que eventualmente tenham partiIhado esse artefato simbólico na liturgia da iniciação.

EQUÉDE

Cargo honorífico circunscrito às mulheres que servem os òrìsà sem, entretanto, serem por eles possuídos. É o equivalente feminino de ogã.

ERÉ

Termo que caracteriza um estágio de transe atribuído a um espírito-criança.

ESSA

Espíritos de ancestrais ilustres do candomblé.

Èsù

Primogênito da criação. Também conhecido como Elégbára (jeje) é popularmente referido como compadre ou homem-da-rua. Suscetível, irritadiço, violento, malicioso, vaidoso e grosseiro. Dizem que provoca as calamidades publicas e privadas, os desentendimentos e as brigas. Mensageiro dos' òrìsà e portador das oferendas. Guardião dos mercados, templos, casas e cidades. Ensinou aos homens a arte divinatória. Costuma-se sincretizá-lo com o diabo. Ocorre tanto em representações masculinas como femininas. Nas casas angola é Bombogira; nas casas angola-congo é (Exúlonã). Na umbanda tem múltiplas personagens, entre elas, Pomba-gira. Suas cores são o vermelho e o preto. Saudação – "Laró yè!".

ESTEIRA

HORA CERTA

ENCONTRAR NO SITE

SOBRE MIM...

Ogan Basílio D'Xangô

Advogado, umbandista, defensor das causas do povo de santo.

SIGA-NOS NAS REDES...

IV PRÊMIO ÀSÉ - ISESE 2018