Dicionário de Termos na Umbanda

Um pequeno dicionário, com termos em Yorubá, utilizados no dia-a-dia das religiões de matriz africana, acrescentado de alguns em nossa língua, além de alguns “dialetos regionais”.

Acrescente os que conhece e não viu aqui, enviando-os para o nosso e-Mail, através do “Fale Conosco”.


ARREBATE

Abertura rítmica das cerimonias publicas dos candomblés. 0 modo vibrante de tocar os atabaques (vd.); eqüivale a uma convocação.

ANGOMBAS
ÀSE

Termo de múltiplas acepções no universo dos cultos: designa principalmente o poder e a força vital. Além disso, refere-se ao local sagrado da fundação do terreiro, tanto quanto a determinadas porções dos animais sacrificiais, bem como ao lugar de recolhimento dos neófitos (vd. Runko). É usado ainda para designar na sua totalidade a casa-de-santo e a sua linhagem.

ASSENTAMENTO

Objetos ou elementos da natureza (pedra, árvore, etc.) cuja substância e configuração abrigam a força dinâmica de uma divindade. Consagrados, são depositados em recintos apropriados de uma casa-de-santo. A centralidade do conjunto é dada por um òta, pedra-fetiche do òriìsà (vd.).

ATABAQUES

Trio de instrumentos de percussão semelhantes a tambores que orquestram os ritos de candomblé. Apresentam-se em registro grave, médio e agudo, sendo chamados respectivamente Rum, Rumpi e Lé (ou Runlé). Nos candomblés angola são chamados de Angombas. Sua utilização no âmbito das cerimonias, cabe a especialistas rituais (vd. Alabê e Ogã).

AXOGUN

Importante especialista ritual encarregado de sacrificar, segundo regras precisas, animais destinados ao consumo votivo.

ANGOLA
ANIL
AMACIS (ou AMASSIS)

Abluções rituais ou banhos purificatórios feitos com o líquido resultante da maceração de folhas frescas. Entram geralmente em sua composição as folhas votivas do òrìsà do chefe-de-terreiro do iniciando, e as assim chamadas '"folhas de nação" (vd.).

ALIÀSE
ALÉKESSI

Planta dedicada a Òsóòsi (vd.). Também conhecida como São Gonçalinho – Casaina silvestre, SW. F LACOURTIACEAE.

ALAMORERE

vd. Òòsàálá.

ALABÊ

Título que designa o chefe da orquestra dos atabaques (vd.) encarregado de entoar os cânticos das distintas divindades.

ÁLÁ

Pano branco usado ritualmente como pálio para dignificar os òrìsà (vd.) primordiais. Geralmente feito de morim.

AKIDAVIS

Nome dado nos candomblés Kétu e Jeje (vd. Nação) as baquetas feitas de pedaços de galhos de goiabeiras ou araçazeiros, que servem para percutir os atabaques (vd.).

ÀKÀSA

Bolinhos de massa fina de milho ou farinha de arroz cozidos em ponto de gelatina e envoltos, ainda quentes, em pedacinhos de folha de bananeira. (Acaçá)

AJOGÚN

Palavra de origem yorùbá que designa os infortúnios, como a morte, a doença, a dor intolerável e a sujeição.

AJALAMO

vd. Òòsàálá

ÅJÀLÁ

vd. Òòsàálá

AIYÉ

Palavra de origem yorùbá que designa o mundo, a terra, o tempo de vida e, mais amplamente, a dimensão cosmológica da existência individualizada por oposição a òrun (vd.), dimensão da existência genérica e mundo habitado pelos òrisà (vd.), povoado, ainda, pelos espíritos dos fiéis e seus ancestrais ilustres.

AGONJÚ

Um dos doze nomes de Sòngó (vd.) conhecidos no Brasil.

AGOGO

Instrumento musical composto de uma ou mais campânulas, geralmente de ferro, percutido por uma haste de metal.

AGERE

Ritmo dedicado a Òsóòsi executado aos atabaques (vd.).

AGÈ

Instrumento musical constituído por uma cabaça envolta numa malha de fios de contas, de sementes ou búzios (vd.).

ADE

Termo com que se designam (nos candomblés) em especial os efeminados e, genericamente, os homossexuais masculinos.

ADAHUN

Tipo de ritmo acelerado e contínuo executado nos atabaques (vd.) e agogós (vd.). É empregado sobretudo nos ritos de possessão como que para invocar os òrìsà (vd.).

ADÓSÙU

Diz-se daquele que teve o osùu (vd.) assentado sobre a cabeça. 0 mesmo que iaô.

ABORÔ

Denominação genérica dos òrìsà (vd.) masculinos, por oposição as iabás, que são as divindades femininas.

ADUFE

Pequeno tambor. Instrumento de percussão de uso mais frequente nos xangôs (vd.) no Nordeste.

AFIN

O mesmo que ifin. Designa a noz-de-cola branca, na língua yorùbá; por extensão a cor branca (vd. efun).

ÀGBO

Infusão proveniente do maceramento das folhas sagradas as quais se vem juntar o sangue dos animais utilizados no sacrifício e substancias minerais como o sal. Esse Iíquido, acondicionado em grandes vasilhames de barro (porrões), é empregado ao longo do processo de iniciação e para fins medicinais sob a forma de banhos e beberagens.

ABIÃ

Posição inferior da escala hierárquica dos candomblés ocupada pelo candidato antes do seu noviciado; em yorùbá significa "aquele que vai nascer".

ÀÀJÀ

Sineta de metal composta de uma, duas ou mais campainhas utilizadas por pais-de-santo (vd.) para incentivar o transe. Também chamado Adjarin.

HORA CERTA

ENCONTRAR NO SITE

SOBRE MIM...

Ogan Basílio D'Xangô

Advogado, umbandista, defensor das causas do povo de santo.

SIGA-NOS NAS REDES...

IV PRÊMIO ÀSÉ - ISESE 2018